• YLÊ ASÉ
  • TAUNKERÃ

Portuguese English Spanish

EGUNGUN

 

BABA EGUNGUN OLOMO KI NSUN O

MAA SUN KI O MAA GBAGBE ILE

MA FI OWO DIGI IGBAGBE MU LORUN

 

UM ANCESTRAL QUE POSSUI FILHOS E DEVOTOS NAO DORME

NÃO DORME E NAO ESQUECE SUA CASA

NO ORUN, MEU PAI, JAMAIS ABRACE A ARVORE DO ESQUECIMENTO (JAMAIS ESQUEÇA AS PESSOAS QUE TE LOUVAM)

 

De acordo com o Corpus literário de Ifa, Ori reside alternativamente na terra (aye) aonde somos conhecidos como ara aye (habitante da terra) e no Orun, espaço ancestral, aonde somos conhecidos como Ara Orun, ou cidadão do orun. Sendo assim, podemos concluir que a crença na ancestralidade esta baseada em dois conceitos extremos: 

Aye - mundo concreto 

Orun - espaço ancestral 

 

É sabido por todos, que os seres humanos têm sua origem ligada a um destino que começa a ser determinado no momento da fecundação, e que, sendo assim, o mesmo passa por dois estágios, nascimento e morte, ou seja, dois nascimentos, uma vez que na concepção yoruba, a morte não é o fim e sim, apenas o inicio de um novo ciclo.

O EMI (função vital que interage junto à ori) perpetuasse, uma vez que o mesmo esta associado ao nosso duplo no Orun (egbe orun), sendo assim independente de que ciclo Emi esteja associado , o mesmo circula entre o Orun e o Aye, criando um movimento e assim a possibilidade de manutenção concreta da energia ancestral.

Sendo assim, podemos concluir que sem a presença de Ori, e também do Emi, tornasse, sem sombra de dúvidas, impossível cultuarmos a ancestralidade.

Independente da idade do Baba Egun, com certeza, o mesmo para ser assentado necessitou de Ases da pessoa a qual aquele ancestre trará proteção, e o seu culto, na comunidade fará com que, com o passar do tempo, o mesmo abençoe seus devotos, saindo apenas do âmbito familiar.

Então faremos a clássica pergunta, se baba egun esta ligado a ancestralidade individual, como o mesmo pode abençoar mais de um devoto?

E também, como seria possível um Oje invocar e evocar seu baba egun independente do local que se encontre?

A resposta a essa questão e muito simples e se encontra presente em uma parte de um determinado Oriki direcionado a Baba Egun:

IBA ENI SOJE KI NTO MORA SÉ

EDUN GBONRAGANDA

A GBE AYE GBE ORUN

 

O grande venerável que vive entre os vivos e os mortos 

que se dobra em milhares de partes 

cidadão vindo do orun distante

 

MO RI AKUKO KAN SOSO BO IGBA EGUNGUN

Eu tenho um único galo para oferecer a 201 egunguns.

 

Em relação ao fato de um baba egun ser assentado somente em último caso em uma casa de orisa, discordo por diversos fatores:

1) A ancestralidade é algo concreto , enquanto existir o homem , tempo e desejo , existira o culto a baba egun. Em outro oriki de baba egun, dizemos que por mais problemas que tenhamos, nós que temos nossos ancestrais no orun estamos tranquilos, pois todas as nossas aflições e a solução das mesmas se encontram nas mãos de NOSSOS BABAS.

 

2) É NECESSÁRIO ENTENDERMOS AS DIFERENÇAS ENTRE INICIAÇÃO E ASSENTAMENTO:

INICIAÇÃO: despertamos nos seres humanos características que já se encontram presentes em nosso Ori.

ASSENTAMENTO: buscamos suprir algo que não esteja presente em nossa essência.

Sendo assim, o culto a ancestralidade e algo presente na vida dos seres humanos, uma vez que um ser humano sem seus ancestres e o mesmo que uma arvore sem raiz. O fato de que todos podem e devem cultuar sua ancestralidade, seja para buscarem maior movimento em sua vida, seja apenas para agradecermos aos ancestrais a oportunidade de estarmos vivos, seja pelo simples fato de estarmos em contato com energias que foram de sua importância para manutenção de nossa família, nada têm a ver com a questão dos mesmos poderem ou não se tornar sacerdotes de Baba Egun.

OKU OLOMO KI NSUN, O DI OWO BABA MI LORUN.

Um ancestral não dorme, não esquece as pessoas que deixou para traz; a solução de todas as dificuldades em minha vida está nas mãos de meus ancestrais no Orun.

 

Acredito que ao avaliarmos os acontecimentos e a estruturação do culto a Baba Egun na diáspora seja ela brasileira ou cubana, devemos, em um primeiro momento separarmos, fundamentos religiosos e condicionamento cultural. Acredito que pessoas que vieram antes de nós, fizeram o possível, para que nossas tradições se mantivessem através dos tempos, e o fato de eu, particularmente, ter optado por seguir o culto tradicional, em momento algum tira meu respeito, conhecimento e admiração pelas nossas tradições e consequentemente pelas pessoas que lutaram para que ela se perpetuasse.

Porém, reconheço que muito se perdeu. E a falta de determinados conhecimentos fez com que um certo misticismo criasse um determinado temor para justificar muitas práticas.

Aqui dizíamos, até muito pouco atrás, que mulheres não participam do culto a baba Egun, mas podemos perceber, em um dos mais variados ORIKIS - EWI - ESA justamente o contrário:

BI OBINRIN MO AWO

BI OKUNRIN MO AWO

KO GBODO WI

KO GBODO FO

KO GBODO SO

EGUNGUN ILE BABA AJOFOYINBO OOOOO

OMO A REKU , TOSI NU

ODUN BABA WA LA NSE O

 

Igba yi a gbe wa

A mulher que conhece o segredo, não deve revela-lo

O homem que conhece o segredo, não deve revela-lo

Eles não devem abrir a boca

Eles não devem falar

Chegou o Egungun Baba Ajofoyinboooo

que venerando seus ancestrais afasta a pobreza e a doença

estamos venerando nosso pai ,

esse tempo nos será favorável.

 

Aqui dizemos que não se pode tocar em Baba Egun, que o contato com a roupa e prejudicial, mas o que vemos em território africano e totalmente diferente.

Baba Egun com crianças no colo, abraçando seus filhos e devotos, muitas vezes inclusive, louvando, e pedindo proteção a crianças:

EGUNGUN BABA AJOFOYINBO OOOOO

OMO LAGBAJA RE O 

MA JE IKU O PA O 

MA JE ARUN O SE 

JE O DAGBA

KI O GBEYIN BABA ATI IYA 

KI O SE ORI RE 

MA JE OSO , OLOGUN IKA O RI PA 

MA JE AJE OLOGUN IKA O RI PA 

 

Egungun Baba Ajofoyinbo ooooooo

aqui esta o filho de :

proteja-o contra a morte 

proteja-o contra a doença 

ajude-o a viver bastante 

que ele não morra antes dos pais

que tenha muita sorte na vida 

proteja-o para que não seja destruído pelos feiticeiros 

proteja-o para que não seja destruído pelas feiticeiras .

 

Em momentos de dificuldade, crises familiares consanguíneas ou religiosas, Baba Egun, muitas vezes atuam como juízes, uma vez que os envolvidos são levados a sua presença e após a apresentação e correta evocação, são feitos os relatos do ocorrido.

As citações acima mostram a influência e a importância da ancestralidade nas relações sociais e cotidianas. Um ancestral insatisfeito com comportamentos sociais inaceitáveis, como adultério, desrespeito aos mais velhos, transgressões de interdições ou o não cumprimento de leis que regem a vida social do povo, muitas vezes atua como conselheiro, avaliando as situações a aconselhando seus filhos e devotos, para que a ordem seja restabelecida.

Além de prestar auxílio ligado a ordem social, os ancestrais são evocados para auxiliar no progresso da agricultura, garantindo chuvas e boas colheitas, etc.

E impossível avaliarmos os acontecimentos passados, para que possamos entender o porquê o culto a BABA EGUN foi desassociado do culto a Orisa. Mas devo mencionar que o mesmo ocorreu com o Ifa.

Na Nigéria e no Benin, esses cultos não são diferentes, interagem juntos, são partes de um todo e a verdade maior disso tudo esta na IGBA ODU, ou cabeça da existência, representando os dois espaços, Céu e terra, Orun e Aye e as divindades e manifestações energéticas que interagem em conjunto.

Em meu ponto de vista, é impossível falarmos de nossa religião, sem darmos aos ancestrais o verdadeiro papel que eles merecem. Ancestrais não devem ser temidos, devem ser amados e louvados, e nós, Sacerdotes capacitados para trazermos o conhecimento e a liturgia ancestral, devemos nos conscientizar assim como os demais praticantes da importância de ter acesso as possibilidades criadas ao estarem em contato com os mesmos.

Não existe diferenciação dos BABAS EGUNS cultuados na Ilha, dos cultuados no Benin ou na Nigéria, ou mesmo os que podem vir a ser cultuados nos ILES LESSE ORISAS, existe a necessidade de conscientizarmos e prepararmos sacerdotes para que possamos lhes render homenagens.

IBA NBE LENU MI O O

ASE SI NBE LOWO ARA ORUN

E MAA JE IBA O WUN WA O O

SE TE FUN WA , OUN LA NLO

I O BA SI ATO ASE KI NDOMO

BI O BA SI ASE ATO KI NDOMO O O

AWA LASE

ENYIN LATO

AWA LATO

ENYIN LASE

 

A forma correta de saudar esta em minha boca

O ase esta junto ao venerável cidadão que vêm do céu

Permitam que minhas saudações sejam favoráveis

Estou evocando o ase que vc nos deu

Sem o poder do sêmen o ovulo não fecunda

Sem o poder do óvulo o sêmen não fecunda

Vocês são o sêmen

Nós somos os óvulos

 

 
Compartilhar nas redes sociais

  • Rádio Nocaute ao vivo::

Please publish modules in offcanvas position.